segunda-feira, março 17

Sobre a Colula...

Hoje vou falar de um tema importante, acredito que muitas mães/pais também tem passado ou já passaram por isto: os amigos imaginários.

A Maria desde os seus dois anos e meio já apresentava alguns amiguinhos, mas nada de mais, aparecia e em horas já ia embora, nem levava muito a sério, mas a Colula veio para ficar espero que por pouco tempo. É uma coruja, que passa o dia lá em casa tipo animal de estimação, ela apareceu na semana passada e adora ficar no braço ou no ombro da Maria, ah, volta e meia ela, a Colula, quer olhar a Peppa Pig, sim até vontades a bendita tem. Ah ela também gosta de comer "porcarias" (doces em geral) mas a Maria explica que a mamãe não deixa, só final de semana, rsrsrsrs.

No sábado a Maria acordou a primeira vez às 6:30hrs e fiz ela voltar e dormir, depois acordou novamente às 08:30 e disse que não podia dormir mais pois a Colula não deixava queria ficar sentada no braço dela. E assim ela ficou sentada no sofá com o bracinho estendido e a coruja lá. Depois de uns 15 min a coruja resolveu sentar no sofá. 

Andei lendo muito sobre o assunto, e todos os sites e livros que pesquisei disseram para os pais não se preocuparem, que é normal dos 3 aos 7 anos e que faz parte do desenvolvimento, além de estimular a criatividade, os amigos imaginários podem ser representados principalmente por crianças ou animais (que é o nosso caso) na maioria das vezes eles tem nome e fazem parte das tarefas diárias das crianças. 

O que me chamou a atenção que na maior parte das vezes o surgimento destes amigos imaginários se dá após algum período "traumático" como a gravidez da mãe, o nascimento do irmãozinho, priminho, separação dos pais ou a morte de um ente querido. Bom lá em casa não aconteceu nada disto, deve ser muita criatividade naquela cabecinha, kkkk.

Eu e o marido resolvemos entrar na dança e acolher a Calula, claro nada de alimentar muito as esperanças dela, mas se ela fala ou conta algo da coruja agimos como se ela estivesse lá mesmo, o que deixa a Maria bem feliz, volta e meia ela esquece da amiga, mas do nada ela reaparece! rsrsrs

Minha mãe disse que eu tive alguns amigos, pelo que sei também não passei por nenhum momento traumático apenas imaginava muitas coisas como a Maria, fantasiava, criava personagens. Não lembro de nenhum mas lembro que minha falecida avó sempre contava que eu brincava com alguns.

E as mamães, papais, tias e tios de plantão já passaram por esta fase? Como encararam os amigos imaginários? Vocês já tiveram algum?

Imagem daqui
Boa semana para todos!

5 comentários:

Grazi disse...

Oi Tássia!
Imagino a cena, deve ser muito fofo!! rsrs
Não lembro de ter amigos imaginários, mas eu dava aula para alunos imaginários, kkk... mas só quando brincava sozinha de aulinha!!
Fiquem com Deus...
Beijão!

"Construindo Minha Casa Clean"

Rafaela Vieira disse...

Delicia de fase.... Meu irmão tinha uma fantasma imaginária chamada Clariana... Mtoo engraçado...

Segue meu bloguinho la:
http://vidadenoivaorganizada.blogspot.com.br/

Beijaooo!

Fernanda S. Lucena disse...

E que nome mais diferente essa amiga da Maria hein?!
Eu n lembro de ter tido na minha infância mas sei q passarei por isso com o bb q está chegando
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Bjoooooos
muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

Elza Carrara disse...

Tássia, quando eu estava grávida do Arthur, eu já tinha lido sobre essa fase e depois fiquei esperando ela chegar, mas na verdade nunca chegou!
Há uns meses atrás, quando ele ainda tinha 5 anos, eu chamei ele para jantar e de repente ele chegou na mesa e disse: "meu amigo pode comer também?"
Marido e eu ficamos meio sem reação, daí eu falei que tudo bem, que ele poderia sentar e tal, entramos na dança assim como vocês fizeram, rsrs
Mas durou 2 dias esse amigo imaginário, hahaha
Estou esperando a vez do Thomas chegar agora, rsrs

Mas olha, a Maria deve ser mesmo uma menina criativa e imaginativa, acho que essa brincadeira não tem mal nenhum não, daqui a pouco essa fase passa, pois as crianças são mesmo de fases e cada hora aparece uma nova!
bjs

Blog Dona Ingrid disse...

Não me recordo de ter tido um amigo imaginário, mas uma coruja seria bem legal!