quarta-feira, junho 19

Conscientizar é preciso: Marcha das vadias

Como eu havia prometido semana passada falar sobre a Marcha que eu e a Maria fomos aqui na minha cidade, eis o post hoje com uma semana e meia de atraso! Hahahah, mas como sempre conscientizar é preciso hoje vim falar dela.

Sábado retrasado aconteceu em várias cidades do mundo a Marcha das Vadias, na minha cidade teve a sua primeira edição, mas em muitas já está na terceira. A Marcha tem no seu objetivo principal a conscientização da valorização da mulher na sociedade. Uma luta contra a sociedade machista que vivemos, consequentemente contra a violência doméstica e abusos sexuais independente da idade.

Muitas pessoas ficam chocadas com o nome da marcha, mas é para chocar mesmo, já que este é um termo pejorativo e muito utilizado quando se referem a estilos de vida da mulher. A mobilização ganhou este nome pois em 2011 em Toronto ocorreu uma série de estupros contra estudantes da universidade de Toronto. Quando foram denunciar os casos um policial local disse que isto só acontecia pois as mulheres atualmente se vestiam como vadias, e desta forma "convidavam" a estas ações bárbaras. Reproduzindo o discurso conservador machista. Então milhares de pessoas indignadas tomaram as ruas da cidade e deram o nome de "Marcha das vadias" fazendo alusão ao adjetivo pejorativo que o policial havia dado às estudantes que haviam sofrido o estupro.

Então paramos para pensar, desde quando uma roupa é sinônimo de que alguém possa fazer algo deste tipo? É ridículo o argumento deste policial, que transferiu toda a culpa dos estupros para as vítimas, inocentando assim o estuprador.

Esta atitude do policial mostra como vivemos em uma sociedade machista, de pensamento machista, onde uma mulher deve se privar de usar a roupa que quer, sair com amigas, beber, trabalhar, estudar, ser bem sucedida, ser sexualmente ativa, justamente para não ser julgada como vadia, pois se empregando esta palavra no seu feminino representa uma mulher sem valor social.

A nossa luta é contra este pensamento, é pela liberdade da mulher, é pela sua valorização enquanto pessoa, é por poder mandar no seu próprio destino e no seu próprio corpo. Não precisar ser humilhada enquanto vítima de uma sociedade que ainda tenta viver em uma convenção tradicional e retrógrada de "bons costumes" e valores sociais.

O tema deste ano foi "estes sapatos tem marcas", que retratava vítimas de violência domésticas e de crimes passionais. Foi exposto sapatos das vítimas e suas histórias.

Cada sapato levava a história das mulheres violentadas.


Sempre fui ativa como militante de lutas sociais, tenho certeza que junto mudaremos muitas realidades. Minha pitoca foi comigo, foi muito corajosa em marchar junto naquele sábado. Algumas pessoas me criticaram por isto, mas um número maior me aplaudiu, e entendeu que é desde pequeno que conscientizamos as pessoas, o respeito e a vontade de mudar a realidade vem de berço, e é isto que quero mostrar para minha filha que podemos sim mudar uma realidade, que queremos um mundo melhor para ela, com respeito e sem discriminação.

Antes de sair de casa expliquei para ela o que era, e o que representava (claro em uma linguagem infantil).  No final perguntei para ela se sabia por que estava ali, ela disse que era "para quando crescer ser feliz e fazer o que queria, e ninguém nunca machucar as mulheres". Fiquei feliz e satisfeita com a sua resposta, pois vi que com três anos ela entendia da sua maneira o que sempre tentamos ensinar a ela.

Segue mais uma fotinhos da Marcha:

Minha amiga Mary de anos, e uma das idealizadoras desta luta

Eu e a Maria na Marcha, ela estava adorando os cartazes!!! Mas não queria fotos não! Kkkkk
Já que muitos seguidores pediram por recado ou por e-mail (muitas pessoas me mandaram e-mail curiosos sobre a Marcha), espero que tenham gostado e entendido a nossa luta, que é muito importante para uma reflexão da história da mulher na sociedade.

Uma ótima quarta feira para todos! Assim que der volto!!! Morro de saudades de vocês!

Ah, aproveitando que estamos falando de política, vou ali sair na rua também e já volto! Bjos

4 comentários:

Carolina Tavares disse...

Tássia, eu amei o fato de você ter levado a sua filha junto contigo. Isso não é exposição, mas é uma forma de fazê-la, desde criança, entender e respeitar as pessoas e você deve ter ficado extremamente orgulhosa da resposta que ela te deu depois (: Eu adorei o post, e se pudesse, teria participado, haha! Adoro essas coisas de marchas e manifestações, quando são para um bem social maior. Parabéns pela tua atitude! E adorei as fotos, hihi

Beijos, boa semana!

Ana Claudia disse...

Tàssia, gostei muito de saber sobre essa marcha, o post está ótimo e muito explicativo.
Beijos e parabéns pela atitude

Kati Monteiro disse...

Tássia, belíssima atitude! Tanto de participar da marcha, quanto de levar a pequena para aprender como se deve fazer!
Beijos

Natália Botega disse...

Tássia, amei esse post! Achei sua atitude maravilhosa...ainda mais que a linda da Maria foi junto lutar por nossos direitos! Adorei!
Parabéns!
Bjks